Tristeza de final de ano: um sentimento comum, mas é preciso saber lidar
06/12/2017 - 5h31 em Notícias

Felicidade em época de final de ano não é uma obrigação. O sentimento não precisa ser somente de alegria para todas as pessoas, por mais que tudo conspire a favor, conduzido, principalmente, pela mídia, amigos e família.

O contraponto, em relação a uma maioria eufórica, pode trazer questionamentos acerca da própria vida, com momentos de tristeza, que podem ser difíceis de lidar, principalmente, com conflitos familiares, doenças e perdas. É importante equilibrar a carga emocional e desfrutar das datas comemorativas de uma forma leve, encarando-as como mais um ciclo que se fecha e que, consequentemente, pode gerar tristezas que não necessariamente devem ser encaradas como um problema.

 “Mesas fartas, festas e presentes, por exemplo, ainda estão presentes nessa época do ano. E quem segue essas regras pode, involuntariamente, impor ao outro o mesmo comportamento. Melancolia, raiva e solidão são comuns nessas datas, e o sentimento de tristeza, muitas vezes, se torna evidente”, comenta Sílvia Regina, psicóloga do setor de Medicina Preventiva do Hapvida Saúde.

Mas, não necessariamente, estar ou ficar triste significa depressão. Momentos tristes, neste período, podem ser passageiros e até úteis, se vierem acompanhados de reflexões e planejamentos para o novo ano que virá. “De uma forma geral, a tristeza, a melancolia, a raiva ou a frustração não configuram um quadro depressivo. Além do que, esses sentimentos podem fornecer subsídios importantes para as mudanças, por isso podem ser encarados de uma forma positiva”, ressalta a psicóloga.

 

(Com informações do Hapvida Saúde)

COMENTÁRIOS