Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Mesa Digitalizadora vai aprimorar investigações de crimes
14/02/2018 08:15 em Notícias

 

Ferramenta auxilia a confecção de retratos falados pela Polícia Civil

 

A Polícia Civil do Pará já dispõe de um equipamento que melhora a qualidade das imagens de câmeras de segurança usadas em investigações de crimes. A Mesa Digitalizadora está instalada no Laboratório de Análise de Imagens e Prosopografia, na sede da Divisão de Homicídios, em Belém, a serviço da Diretoria de Identificação da Polícia Civil.

O novo equipamento permite melhorar as imagens obtidas por policiais civis responsáveis pela investigação de crimes, como roubos e homicídios. "Poderemos trabalhar para que se possa ter uma melhor definição das imagens e contribuir com o trabalho da polícia", explica a papiloscopista Daniella Moura, que atua no Laboratório de Análise de Imagens e Prosopografia. Para utilizar o novo recurso, os profissionais de Identificação da Polícia Civil passarão por treinamentos.

Com a Mesa Digitalizadora será possível montar rostos de suspeitos a partir das imagens das câmeras de segurança, com ajustes que melhoram a definição. "Vamos combinando cores, nitidez, coloração e melhores padrões, para que possamos chegar o mais próximo possível do rosto do suspeito", informa Daniella Moura.

Segundo ela, o equipamento é importante principalmente para o aprimoramento da qualidade das imagens de crimes registrados por câmeras de monitoramento. Outra vantagem é a possibilidade de ilustrar melhor os inquéritos policiais, permitindo que as informações das investigações de crimes cheguem à autoridade judicial com uma perspectiva mais ampliada do local dos fatos. "No equipamento será possível montar uma animação em vídeo para mostrar, de forma mais clara, como foi o crime, segundo as investigações, de modo a possibilitar à autoridade judiciária ter uma compreensão mais ampla e rápida dos fatos", detalha.

Tecnologia - A papiloscopista informa ainda que a Mesa Digitalizadora, futuramente, poderá criar retrato falado em três dimensões (3D), com melhor resolução das imagens de suspeitos de crimes apontados por vítimas e testemunhas. "Por essa técnica será possível ter melhor definição das imagens de suspeitos, podendo trabalhar com maior qualidade diversos tipos de marcas e sinais corporais, cicatrizes, ferimentos, marcas de cirurgias, elevações pelo entorno do rosto e do corpo", ressalta a papiloscopista.

Segundo o delegado-geral de Polícia Civil, Rilmar Firmino, a aquisição do equipamento faz parte dos investimentos feitos pelo governo do Estado para aprimorar o trabalho policial.

Ele ressaltou que em 2017 houve um volume significativo de investimentos em infraestrutura das delegacias, aquisição de equipamentos de proteção para os policiais civis - coletes à prova de balas -, armamentos e viaturas, que resultou em resultados expressivos no combate ao crime. "Tivemos avanços muito grandes, e sabemos que podemos avançar muito mais ainda, em recursos humanos, equipamentos e salários", acrescentou.

 

COMENTÁRIOS