MENU
Farmácia Popular: mais dez remédios serão distribuídos gratuitamente
10/07/2024 18:21 em Notícias

São medicamentos utilizados no tratamento de doença de Parkinson, colesterol alto, glaucoma e rinite que podem ser retirados nas farmácias credenciadas

 Fonte: MS

O Ministério da Saúde tornou gratuita a retirada de mais dez medicamentos no Programa Farmácia Popular a partir desta quarta-feira (10). Esses medicamentos são para tratamento de doença de Parkinson, colesterol alto, glaucoma e rinite.

 

Com a medida, pelo menos 3 milhões de participantes do programa poderão economizar até R$ 400 por ano. Anteriormente, os usuários pagavam uma porcentagem do valor desses medicamentos, mas agora 39 dos 41 itens distribuídos pelo Farmácia Popular são totalmente gratuitos.

 

NOVOS MEDICAMENTOS GRATUITOS

Anticoncepção:

acetato de medroxiprogesterona 150mg

etinilestradiol 0,03mg + levonorgestrel 0,15mg

noretisterona 0,35mg

valerato de estradiol 5mg + enantato de noretisterona 50mg

 

Colesterol Alto:

sinvastatina 10mg/20mg/40mg

 

Doença de Parkinson:

carbidopa 25mg + levodopa 250mg

cloridrato de benserazida 25mg + levodopa 100mg

 

Glaucoma:

maleato de timolol 2,5mg e 5mg

 

Rinite:

budesonida 32mcg

dipropionato de beclometasona 50mcg/dose

 

COMO CONSEGUIR A MEDICAÇÃO?

O programa Farmácia Popular oferece medicamentos gratuitos para diabetes, asma, hipertensão, anticoncepção, colesterol alto, rinite, doença de Parkinson e glaucoma. Também subsidia medicamentos para diabetes mellitus associada a doença cardiovascular e distribui fraldas geriátricas.

 

Para retirar os medicamentos, o paciente deve ir a um estabelecimento credenciado que exiba o selo "Aqui tem Farmácia Popular" e apresentar:

 

Documento oficial de identidade com foto e número do CPF.

Receita médica dentro do prazo de validade, emitida por médico do SUS ou particular.

Para a retirada de fraldas geriátricas, o paciente deve ter mais de 60 anos ou ser pessoa com deficiência, e apresentar prescrição, laudo ou atestado comprovando a necessidade do uso.

COMENTÁRIOS