Volume
Redes
Sociais
Presidente da OAB em Santarém denuncia que foi ameaçado de morte por PM
13/03/2018 - 0h12 em Notícias

Sargento da PM e dois cabos teriam apontado armas para o presidente Ubirajara Bentes e outro advogado na delegacia

 

 

 

O advogado Ubirajara Bentes, presidente da Subseção de Santarém da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), denuncia um policial militar por ameaça de morte enquanto um advogado exercia sua profissão. O sargento Gildson, do Grupo Tático Operacional (GTO), junto com dois cabos, teriam sacado armas e ameaçado o presidente e o advogado Kleber Raphael Machado durante uma ocorrência na delegacia de Polícia Civil no município.

 

O conflito teria acontecido na última sexta-feira (09), por volta de 17h. Um advogado foi contratado pela família de um cliente que havia sido preso em flagrante. Ao chegar à Delegacia, o advogado viu o sargento da PM agredindo fisicamente o suspeito, e foi até o militar para pedir que ele parasse com as agressões. Imediatamente, o militar começou a gritar com o advogado, desrespeitando suas prerrogativas profissionais. Em certo momento, o sargento Gildson dos Santos Soares sacou sua arma de trabalho e teria dito "Se tu abir a boca mais uma vez, eu dou dois tiros no teu peito".

 

Quando a situação fugia do controle, o delegado de plantão levou o advogado ameaçado até sua sala, em outro andar da delegacia, e ligou para o presidente da OAB em Santarém. "Cheguei ao local com a Comissão de Defesa de Prerrogativas. Liguei para o comando da PM e eles mandaram o oficial de dia do Batalhão da PM. Em seguida, o major que comanda o GTO também chegou à delegacia. O sargento agressor alegava que o advogado estava preso por desacato, mas isso não existe. É inconstitucional", conta Ubirajara Bentes.

 

Depois de se reunir com o delegado e definir o que seria feito em relação à ameaça, Kleber Raphael Machado e Ubirajara Bentes desceram, indo em direção à saída do prédio. Contudo, foram impedidos pelos policias do GTO. "Eles correram e esse sargento se posicionou na minha frente, com o fuzil perto do meu peito. Ele disse que ia ter que ser feita uma ocorrência, mesmo depois do delegado nos liberar. Ele e um outro cabo também ficaram evitando nossa saída! Somente quando o major que comanda o GTO gritou com eles foi que eles baixaram as armas e liberaram a passagem, mas eu não tenho dúvidas que eles iriam atirar", conta o presidente da OAB em Santarém.

 

A OAB-PA se manifestou com uma nota de repúdio publicada em seu site, assinada pelo presidente estadual, Alberto Campos. "Todo e qualquer agente público deve respeitar a advocacia, o que repudiamos todas as opressões e violações ao pleno exercício profissional, garantido constitucionalmente, o que não se verificou neste episódio em Santarém", diz a nota. Em vídeo publicado nas redes sociais, Campos afirma que entrou em contato com o secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social do Pará, Luiz Fernandes Rocha e com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Hilton Benigno, solicitando o afastamento imediato do sargento Gildson e teve seu pedido atendido. " A OAB pará não irá descansar enquanto este senhor não for definitivamente afastado do convívio social para se reeducar", conta o presidente Alberto Campos.

 

Em nota, a PMPA informou que, segundo relatos preliminares dos militares envolvidos, Kleber Raphael Machado "teria desacatado os policiais e obstruído o trabalho enquanto tentava liberar os acusados junto à autoridade policial". Na manhã deste sábado, 10, os policiais militares registraram boletim de ocorrência contra o advogado. Da mesma forma, a PM já adotou medidas para esclarecer as circunstâncias dos fatos por meio de sindicância. Apesar do que o presidente da OAB disse, a PM ressalta que nenhum policial militar envolvido no caso foi afastado da Corporação e eles continuam desenvolvendo suas atividades, porém internamente.

COMENTÁRIOS